Esclarecendo de vez as principais dúvidas sobre o SPED Contábil

Alguns processos no Brasil costumam ser muito burocráticos, há anos os empresários e responsáveis por repassar as informações contábeis tem um trabalho pouco prático e cansativo.

O Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal iniciado entre 2007 e 2010.

O SPED contábil foi criado com a intenção de melhorar essa realidade burocrática atual, pois ele pretende automatizar e tornar o trabalho dos contadores mais dinâmicos.

Como se trata de uma novidade para algumas organizações, os contadores inicialmente precisam ficar em conformidade com as exigências para que fique livre de erros e multas.

Visualizando o futuro, o SPED promete trazer mais praticidade a longo prazo, tornando o dia a dia dos profissionais mais fáceis, além de trazer mais credibilidade para a empresa, referente as informações incluídas no documento.

O que é o SPED Contábil?

O SPED Contábil foi instituído pelo Decreto nº 6.022/2007 (posteriormente revogado e substituído pela Instrução Normativa RFB 1.420/2013).

Ele com certeza é um dos assuntos mais comuns na rotina das empresas contábeis. Ele é uma solução tecnológica, feita para padronizar os arquivos das escriturações contábil e fiscal dos processos organizacionais em um formato digital proprietário.

Dessa forma, ele padroniza os arquivos utilizados para envio de informações a Receita Federal, o sistema então coleta e cruza os dados comunicados pela empresa, de forma informatizada.

A implementação da tecnologia busca dar mais agilidade para o envio das informações, além de ajudar a diminuir os custos, economizar tempo dos profissionais, mais controle, legitimidade na fiscalização e também das informações enviadas.

Quais os benefícios do SPED Contábil?

Além de informatizar as informações, o SPED visa principalmente três benefícios:

– reduzir a papelada necessária para a administração de impostos pelas empresas;

– acelerar a identificação de bons (e maus) pagadores de impostos;

– uniformizar obrigações por meio da transmissão única;

Também se espera, com o passar do tempo, que haja mais eficiência no setor contábil, pois os erros serão facilmente identificados.

Quem é obrigado a entregar, e quando deve entregar?

O SPED Contábil tem obrigatoriedade para todas as empresas de lucro presumido, real, imunes e isentas.

Empresas tributadas pelo Simples Nacional, órgãos públicos, autarquias, fundações públicas e pessoas jurídicas inativas não precisam entregá-lo.

Desde 2016, a entrega do SPED Contábil deve ser feita até o último dia útil do mês de maio no ano-calendário subsequente ao da escrituração.

Esse prazo não pode ser postergado e a não-entrega acarretará em multa.

Ou seja, em 2018, o SPED Contábil deve ser entregue até às 23h59min59s (horário de Brasília)do dia 31 de maio.

No sistema , devem ser encaminhados os documentos referentes à escrituração contábil das empresas, ou seja: livro diário e auxiliares; livro razão e auxiliares; livros contábeis, balancetes diários, balanços e fichas de lançamento comprobatórias.

Ser contador, autônomo ou de uma empresa, exige atenção. Afinal, a legislação muda com frequência, e a atualização dos profissionais precisa ser constante.

Porém, algumas dessas alterações também podem vir a facilitar o trabalho desse setor, especialmente com as novas tecnologias que estão surgindo no universo contábil.

A existência do SPED não anula a necessidade de produção, atualização e guarda dos registros contábeis de uma empresa, mas certamente o tempo e recursos economizados na não mais impressão e encadernação desses dados, ajuda a dar mais produtividade ao setor contábil.



Deixe um comentário